segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Do baralho

Conhecido por “senador”, pelos elegantes ternos pretos ou brancos, e ás no baralho, o assessor Alcides Ferreira tentou um “papagaio” com o então presidente da Assembléia catarinense, Paulo Bornhausen, para pagar dívida de jogo. Dono do banco, Paulo cobrou no vencimento. Ele estranhou:
- Paulo, você acha que avalista é brincadeira? Avalista é para pagar! O banqueiro nem piscou. Pagou a dívida. E o assessor continuou jogando.
CH

Isso não vai dar certo...

Vôo da GOL Cuiabá-Brasília sobrevoou quinze minutos à espera de autorização para pousar na Capital e, já na pista, aguardou outros 27 minutos por vaga para o desembarque. O comandante pediu desculpas e ironizou: “Tenham uma boa noite e não esqueçam: a Copa vem aí...”

Sonho de Valesca Popozuda é transar na laje

Serão tantos os candidatos para realizar este sonho da Valesca Popozuda, que o grande perigo é a laje desabar.

Pará

Sem a divisão do Pará, os bezerros choram. Sem leitinho, sem leitinho.

Passando a sacolinha

Jânio Quadros reuniu empresários para pedir dinheiro para sua campanha. Advertiu para o “perigo comunista” (Eduardo Suplicy, do PT, e Fernando Henrique Cardoso, PMDB, eram os adversários na disputa para prefeito de São Paulo) e pediu apoio “para salvar os próprios pescoços” dos empresários, que, no entanto, permaneciam relutantes. Jânio radicalizou:
- Os senhores são tão usurários, tão miseráveis, que quando vêem um pobre lhe pedem as horas! Eles deram muitas risadas. E muito dinheiro.
CH

Grito no deserto

O ministro Fernando Haddad (Educação) faz de tudo para não ter de sair junto com os demais, na reforma de janeiro. Amigos afirmam que, desse modo, ele poderia ser confundido com ladrões, coisa que não é.
CH

Doido por jatinho

O ministro Celso Amorim (Defesa) não perdeu tiques de ex-chanceler: só voa no jato Legacy, da presidência da República, desbancando sem constrangimento a prioridade de outros ministros. Ele decide e ponto.
CH

Sim,meu general

Ideli virou piada no Planalto: após a votação da DRU, ela entrou no plenário e deu continência a Sarney, o articulador da vitória governista.

Ideli,a perdida

Ideli Salvatti anda tão perdida na articulação política que só apareceu no Senado quando a prorrogação da DRU já tinha sido aprovada.

Seguidores

Arquivo do blog