segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Pausa

Uma pequena pausa para recarregar o motor pensante. Volto no dia 18 de janeiro. 
Abraços!

DUREZA

“Não sou capaz de entender nem a minha mulher e querem que eu entenda o mundo?” (Limão)

O LADO BOM

“Nunca soube ganhar dinheiro. Meu coração sempre falou mais alto nos negócios que fiz. Quanto ao resto tive de tudo, muita saúde para os meus e até mesmo sogras boazinhas.”

“Não há muita carne em Cuba. Sendo assim nos acostumamos a lamber orelhas.” (Cubaninho)

“O álcool é um monstro perigoso. É o tipo do bicho que se houver descuido engole o dono sem ele perceber.” (Mim)

O DESCARAMENTO DOS CANALHAS PETISTAS

"...Até bem pouco, os petistas viam a corrupção como o mais hediondo dos crimes. Se um assassino matava alguém, havia matado apenas um. Já o corrupto, ao roubar dinheiro público, estava indiretamente ceifando vidas em hospitais, roubando ensino dos pobres, matando de fome os miseráveis. De repente, não mais que de repente, o crime de corrupção se tornou palatável. Como mandar para a prisão um homem que não matou ninguém? Ainda mais quando os condenados do mensalão são quase todos candidatos a heróis, para o culto das gerações futuras. Afinal, não foram aqueles bravos combatentes que pegaram em armas contra a ditadura?"(Janer Cristaldo)

Será mesmo o neoliberalismo culpado de tudo?

O mal que acomete economias no mundo todo será mesmo culpa do neoliberalismo? Quem sabe em parte. Porém, não será talvez culpa do neobaguncismo dos governos, mais preocupados em praticar ações populares que geram votos, mas que arruínam suas economias? A Grécia que faz pouco realizou os Jogos Olímpicos tinha condições para isso?

Baixa tolerância à bajulação

Adhemar de Barros estava em plena campanha para presidente, em 1955, quando foi homenageado com uma festa-surpresa por assessores, no dia de seu aniversário. Iniciados os discursos, travou-se uma curiosa disputa para ver quem adulava mais o chefe. Cansado e impaciente, Adhemar acabou com a festa com o seu jeitão de lorde inglês:
- Agradeço, mas não suporto tanta bajulação. Peço que dêem o fora. Deu as costas e foi embora.

“Durmo pouco. Quero ter muito sono quando morrer.”(Pócrates)

“Antes feio que burro.” (Pócrates)

MODELO POUPATEMPO


PAPAI, O QUE É UM ABSTÊMIO?

-Meu filho, abstêmio é o sujeito que tem o vício de não beber.(Popular)

Sobre a dor

Existe uma expressão russa que diz: se você acorda sem sentir nenhuma dor, sabe que está morto. Embora a vida não seja apenas dor, a experiência da dor, que é especial em sua intensidade, é um dos sinais mais seguros a força da vida. Schopenhauer disse: “Imagine essa corrida transportada para uma utopia onde tudo cresce sozinho e os perus voam de um lado para o outro já assados, onde os amantes se encontram  sem qualquer demora e possuem um ao outro sem qualquer dificuldade; em tal lugar certos homens morreriam de tédio ou se enforcariam, outros lutariam e se matariam entre si, e assim criariam para si mesmos mais sofrimento do que a natureza inflige a eles. O pólo oposto do sofrimento é o tédio.” Acredito que a dor precisa ser transformada, mas não esquecida; contrariada, não obliterada.
Andrew Solomon- O Demônio do Meio-Dia

“Ficando em silêncio ouvimos vozes que desconhecemos ou vozes que já havíamos esquecido.” (Filosofeno)

Segure o riso e veja o que alguns deputados consideram prioridade para o país


Bafômetro particular
A proximidade do recesso parece mexer com a inspiração dos deputados. É hora de botar para fora as pérolas em forma de projeto de lei.
Antônia Lúcia, do PSC, sugere algo simples: isentar todos os moradores do Acre que consomem energia elétrica de pagar impostos federais. Nem precisa dizer qual é o estado da parlamentar.
Thiago Peixoto (PSD), de Goiás, quer dar uma forcinha a prefeitos, governadores e presidente. Uma espécie de almoço grátis. Peixoto propõe a obrigatoriedade de exibição gratuita de atos, obras, serviços e campanhas do estado nos locais públicos onde há sessões de cinema.
Se depender do gaúcho José Otávio Germano (PP), cada motorista deverá ter dentro do porta-luvas do carro o seu próprio bafômetro.
A festa de batismos, agrados a entidades religiosas e incremento do calendário também fechou o ano com força total. Takayama (PSC-PR) trabalha para instituir o Conselho Nacional dos Ministros da Confissão Religiosa.
Enquanto isso, o peemdebista goiano Pedro Chaves quer homenagear Vinícius Calebe Xavier Oliveira Reis Sardinha, batizando o Campos Belos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia goiano.
Roberto de Lucena, do PV paulista, teve a ideia de instituir o Dia Nacional da Igreja O Brasil para Cristo. Amém.
O professor Sérgio de Oliveira, PSC do Paraná, quer saber é de futebol: apresentou um projeto de lei para meter o bedelho na competência da CBF, determinando que o critério para rebaixamento dos times da série A e acesso nas demais divisões leve em consideração resultados dos dois últimos anos. Agora vai.
Por Lauro Jardim

Seguidores

Arquivo do blog