quinta-feira, 15 de maio de 2014

INFRA DOS INFERNOS- Rondonópolis: caminhoneiros esperam 4 dias para descarregar

A equipe de Expedição VEJA encontrou mais de cinquenta caminhões enfileirados à beira da estrada na saída de Rondonópolis (MT), nesta quinta-feira, perto da BR-384. Os caminhoneiros esperavam para descarregar adubo em uma empresa que comercializa fertilizantes agrícolas.
Segundo os motoristas, a aglomeração foi causada pela quebra de um dos equipamentos utilizados para descarregar os caminhões. O serviço teve de ser feito manualmente, com ferramentas semelhantes a rodos. O tempo de espera para o descarregamento é de pelo menos quatro dias.

Um caminhoneiro que sai de Minas Gerais e entrega os fertilizantes em Rondonópolis ganha pouco mais de 250 reais pelo serviço – desde que, durante a viagem, o caminhão não consuma mais de 2,5 quilômetros com um litro de diesel. O trajeto de ida e volta, incluindo o tempo de espera, dura quase uma semana.

Cerca de 60% das cargas transportadas no Brasil são levadas em caminhões, o que causa pontos de congestionamento como o desta quinta-feira em Rondonópolis. As principais estradas que cortam o Estado e são utilizadas para o escoamento da produção, a BR-364 e a BR-163, têm pista simples em quase todo seu trajeto e ficam sobrecarregadas no período da safra. A Expedição VEJA presenciou o início das obras de abertura de uma segunda pista da BR-364, mas os trabalhos nas duas rodovias não serão concluídos antes de 2019.

Os fertilizantes processados em Rondonópolis utilizam principalmente matéria-prima extraída em Minas Gerais e são aplicados nas lavouras de Mato Grosso, o maior produtor de grãos do país, que conseguem ser competitivas em nível mundial apesar dos problemas de infraestrutura para o escoamento da produção.

Seguidores

Arquivo do blog