sábado, 14 de junho de 2014

SPONHOLZ


PÂNICO DE CANHÃO

O ex-governador pernambucano Gustavo Krause nunca foi muito chegado a cerimônias oficiais, especialmente com “fundo musical” de tiros. Certa vez ele se assustou ao ser saudado com uma salva de tiros de canhão, à sua chegada em uma cerimônia. Ao final, ele tentou sair de fininho, para evitar nova homenagem, mas um oficial percebeu :
- O senhor governador está se retirando!
O único canhão preparado, dos tempos da Primeira Guerra, cheio de pólvora seca, por infeliz coincidência, estava bem próximo do atônito Krause, que se viu obrigado a parar. O fortíssimo tiro do canhão despoletou o velho pânico de Krause, que foi embora aos berros:
- Homenagem de grego! Homenagem de grego!
DP

Um petista não abandona outro, usa até algemas se for preciso.

A sua mãe também diz que você é bonito (a)? Mãe não mente, não é?

Depois das vaias à Dilma Lula se tornou o ministro da educação. Não tem espelhos?

Camelô de empreiteira

“Dilma, você foi no estádio ontem. Você viu que no estádio não tinha ninguém com a cara de pobre, a não ser você? Não tinha ninguém pelo menos moreninho. Era a parte bonita da sociedade…”

Lula, ex-presidente e camelô de empreiteira, confessando em entrevista à Folha que o estádio de 1 bilhão que arranjou para a Odebrecht não tem lugar para pretos, pobres e feios.

Augusto Nunes

Seguidores

Arquivo do blog